.

CURSO DE CATEQUESIS: TEMA 17: CREIO NO ESPÍRITO SANTO

INTRODUÇÃO:

Depois de afirmar no Credo a nossa fé em Deus Pai e em Deus Filho -Nosso Senhor Jesus Cristo-, confessamos também a fé no Espírito Santo. O Espírito Santo -terceira pessoa da Santíssima Trindade- é Deus. Para muitos, o Espírito Santo é o Grande Desconhecido, ainda que, como diz São Paulo, o cristão seja templo do Espírito Santo. Desde o mesmo momento do Batismo, Ele está em nossa alma em graça, santificando-a e adornando-a com seus dons. Se não o expulsamos por meio do pecado mortal, Ele nos inspira e nos assiste, guiando-nos até o céu. É o Paráclito, ou Consolador, o "doce hóspede da alma". Este é o grande dom que Jesus Cristo, tinha prometido aos apóstolos na última ceia: "É conveniente para vós que eu me vá. Pois, se não fosse assim, o Paráclito (o Espírito Santo) não viria a vós; mas, se eu me for, eu o enviarei a vós" (Jo 16,7). E, efetivamente, no dia de Pentecostes, eles receberam o Espírito Santo. Ao estudar este tema, temos de pedir ao Espírito Santo que nos ajude a entender sua misteriosa ação na Igreja e em nossa alma.

IDÉIAS PRINCIPAIS:

1. O Espírito Santo, terceira pessoa da Santíssima Trindade

A verdade fundamental de nossa fé cristã é o mistério da Santíssima Trindade. Este mistério -que, por sermos nós limitados, não podemos nunca compreender- nos ensina que em Deus existem três Pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. As três pessoas são Deus, são eternas, onipotentes, mas há um só e único Deus. O Espírito Santo é a terceira pessoa da Santíssima Trindade e professamos a sua divindade quando rezamos, no Credo: "Creio no Espírito Santo, Senhor e fonte de vida, que procede do Pai e do Filho, e que com o Pai e o Filho recebe a mesma adoração e a mesma glória". Cremos, pois, em Deus Espírito Santo.

2. Deus Pai, Filho e Espírito Santo realizam a salvação

Sabemos que Jesus Cristo, a segunda pessoa da Santíssima Trindade, se fez homem e morreu por nós. Com sua vida, morte e ressurreição, nos fomos salvos. Mas em nossa salvação intervém as três Pessoas divinas: o Pai que enviou seu Filho; o Filho que morreu por nós; o Espírito Santo, que veio no dia de Pentecostes para ser como que a alma da Igreja e habitar em cada um de nós.

3. O Espírito Santo nos santifica

Dissemos que há um só e único Deus; portanto, todas as coisas que Deus faz, são feitas pelas três Pessoas divinas. Sem dúvida, umas coisas são atribuídas ao Pai, outras ao Filho e outras ao Espírito Santo. Assim, umas vezes dizemos que Deus Pai é o criador do mundo, porque procede da onipotência divina e o poder que se atribui ao Pai, ainda que o mundo foi também criado pelo Filho e pelo Espírito Santo. Se considerarmos a Redenção, sua realização foi obra do Filho, Verbo Encarnado. Ao Espírito Santo que procede do amor do Pai e do Filho, se apropria particularmente a santificação dos homens, ainda que a santificação é obra de toda a Trindade.

4. O Espírito Santo e a Igreja

Tal como Cristo tinha prometido, no dia de Pentecostes -dez dias depois da ascensão ao céu e cinqüenta dias depois de sua ressurreição- o Espírito Santo desceu sobre os Apóstolos e discípulos que estavam reunidos no Cenáculo com a Santíssima Virgem. Com a vinda do Espírito Santo, a Igreja se abria às nações. O Espírito Santo, que Cristo derrama sobre seus membros, constrói, anima e santifica a Igreja.

5. O Espírito Santo santifica principalmente pelos sacramentos

A santificação que o Espírito Santo realiza em nós consiste em nos unir cada vez mais com Deus; mas, para que tal objetivo seja alcançado, temos de deixá-lo atuar em nossa alma. De que maneira?

  • Vivendo sempre na graça de Deus: então, somos templos do Espírito Santo, como diz São Paulo, que está em nossa alma e nos vai santificando.
  • Por isto, é preciso receber os sacramentos, especialmente a Penitência e a Eucaristia. Com a Penitência, recuperamos a graça santificante - se a tivermos perdido, pelo pecado grave-, e além disso, ela nos fortalece. Com a Eucaristia, a alma se alimenta, e se desenvolve a vida sobrenatural (graça, virtudes e dons do Espírito Santo).
  • Além disso, é preciso escutar o que Ele nos diz: o Espírito Santo ensina por meio dos Pastores da Igreja e inspira interiormente o que Deus quer e espera de nós. Quando somos dóceis às suas inspirações, somos melhores e nos santificamos.

6. É preciso relacionar-se com o Espírito Santo

Sabemos que o Espírito Santo é o "doce hóspede da alma", que está em nós quando vivemos em estado de graça. Da mesma maneira que tratamos ao Pai e a Jesus Cristo, temos de nos acostumar a falar com o Espírito Santo, nosso santificador. Ao Espírito Santo temos de pedir, de modo especial, seus sete dons, tão necessários para viver de verdade como cristãos:

  • O dom da sabedoria, que nos faz saborear as coisas de Deus.
  • O dom do entendimento, que nos ajuda a entender melhor as verdades da nossa fé.
  • O dom do conselho, que nos ajuda a saber o que Deus quer de nós e dos demais.
  • O dom da fortaleza, que nos dá forças e valor para fazer as coisas que Deus quer.
  • O dom da ciência, que nos ensina quais são as coisas que nos ajudam a caminhar para Deus.
  • O dom da piedade, com o qual amamos mais e melhor a Deus e ao próximo.
  • O dom do temor de Deus, que nos ajuda a não ofender a Deus, quando fraqueje o nosso amor.

7. Algumas orações dirigidas ao Espírito Santo

  • Glória ao Pai, e ao Filho e ao Espírito Santo.
  • Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo.
  • Vem, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis, e acendei neles o fogo do vosso amor.
  • Vem, Espírito Santo, e envia desde o céu um raio de tua luz.

8. Propósitos de vida cristã

  • Considerar que, quando se está em estado de graça, o Espírito Santo habita na alma como em um templo; fazer propósito de viver sempre na graça de Deus.
  • Repetir, especialmente perto da Festa de Pentecostes, algumas orações dirigidas ao Espírito Santo.
Autor: Jayme Pujoll e Jesus Sanches Biela
Fonte: Livro "Curso de Catequesis" do Editorial Palavra, España
Tradução: Pe. Antônio Carlos Rossi Keller

 

©2009 Tradição em foco com Roma | "A verdade é definida como a conformidade da coisa com a inteligência" Doctor Angelicus Tomás de Aquino