.

CURSO DE CATEQUESIS: TEMA 23: CREIO NA VIDA ETERNA

INTRODUÇÃO:

A morte abre a porta para a "vida eterna", e a vida eterna - último artigo do Credo- é a meta do ser humano, sabendo pela Revelação que a vida "não termina, mas se transforma"; de modo que os que crêem em Cristo podem adquirir uma mansão eterna no céu. Viveremos eternamente! Como dizia o bem aventurado Josemaria Escrivá de Balagüer, "o que temos de pretender é ir para o céu. Se não, nada vale a pena". Este é o destino definitivo de nossa existência. Mas o destino real é correspondente com o uso da liberdade e, portanto, se vivermos com fidelidade a Deus, se alcançará o céu; mas se dermos as costas a Deus e se morre em pecado mortal, o destino será o inferno. Há uma situação provisória, que é aquela quando o ser humano morre na graça, mas não terminou ainda de purificar-se, e deve fazê-lo no purgatório.

IDÉIAS PRINCIPAIS:

1. Ao céu vão os que têm a alma limpa

São João nos fala, assim como São Paulo, da visão que teve do céu: "Vi uma grande multidão, que ninguém podia contar, de toda nação, tribo, povo e língua, que estavam diante do trono do Cordeiro (Cristo), vestidos de túnicas brancas e com palmas em suas mãos" (Ap 7,9). Vestidos com túnicas brancas quer dizer que estavam na graça de Deus e limpos de qualquer mancha de pecado. Por isso receberam o premio do céu. Como diz o Evangelho "Bem aventurados os puros de coração, porque verão a Deus" (Mt 5,8).

2. O céu consiste em ver, amar e gozar a Deus eternamente

O que é o céu? São Paulo, escrevendo aos cristãos de Corinto, dizia: "Nenhum olho viu, nem ouvido ouviu, nem veio à mente do homem o que Deus preparou para os que O amam" (1Cor 2,9). É algo tão grande que, ainda que nos puséssemos a sonhar, nunca chegaríamos a imaginar o que é. São Paulo diz: "Estaremos sempre com o Senhor" (cf. 1Ts 4,8). Estaremos sempre com Cristo, nosso Amigo. Deus é o sumo bem, a beleza infinita, e o ser humano, que tem ânsias de ver coisas maravilhosas, estará para sempre plenamente saciado - saciado sem saciar-se- ao contemplar a Deus. O veremos tal como Ele é. Além disso, O amaremos ardentemente e por Ele seremos amados eternamente. Os desejos de amor que o ser humano tem para dar e receber ficarão plenamente preenchidos. Por estas razões, no céu só haverá gozo e alegria. Não existirá enfermidade, nem dor, nem sofrimento, mas unicamente gozar de Deus em companhia da Virgem Maria, dos santos e dos anjos. Estaremos com todos aqueles que foram fiéis a Deus, muitos dos quais chegamos a conhecer nesta terra.

3. A purificação final, ou Purgatório

Os que morrem na graça e amizade de Deus, mas imperfeitamente purificados, ainda que estejam seguros de sua eterna salvação, sofrem depois da morte uma purificação a fim de obter a santidade necessária para entrar na alegria do céu. A Igreja chama de Purgatório esta purificação final dos eleitos, que é completamente diferente do castigo aos condenados.

4. Podemos ajudar às almas do Purgatório

Deus quer que a Igreja da terra ajude as almas que estão no purgatório, purificando-se e com o desejo ardente de ir para o céu, para estar com Deus plenamente. Como se explicou no tema sobre a comunhão dos santos, temos de ajudá-las e podemos fazê-lo com estes auxílios:

  • Oferecer como sufrágio a Santa Missa. É a melhor maneira, porque oferecemos pelos defuntos os méritos infinitos do mesmo Jesus Cristo.
  • Rezar muito pelas almas do purgatório. Pedimos a intercessão da Mãe de Deus para que, o quanto antes, cheguem ao céu. A Virgem é também Mãe dos que estão no purgatório e temos de pedir-lhe por nossos familiares, amigos e benfeitores, e pelas almas pelas quais ninguém pede.
  • Oferecer em favor das almas nossas boas obras. Nosso trabalho, esmolas, pequenas mortificações, tudo Deus aceitará em benefício das almas do purgatório.

5. O inferno existe

Jesus Cristo, que diz a verdade sem que possa enganar-se nem enganar-nos, porque é Deus, nos falou da existência do inferno em muitas passagens do Evangelho. Ao revelar o mistério do juízo final, se manifesta a sentença que o Juiz ditará sobre os malvados, situados à sua esquerda: "Afastai-vos de mim, malditos, ao fogo eterno, preparado para o diabo e para seus anjos". E conclui: "Irão ao suplício eterno" (cf. Mt 25,41.46). Outras passagens com este ensinamento são a cizânia que será lançada no fogo (cf. Mt 13,40-20); os peixes maus serão jogados fora (cf. Mt 13,47-48); quem não traja a veste nupcial será jogado às trevas exteriores (cf. Mt 22,13); as virgens néscias não entrarão (cf. Mt 25,1-13); o servo inútil será posto para fora da casa do patrão (cf. Lc 16,1-8) e muitos outros. Se pensarmos, veremos que o inferno existe porque Deus é justo; e tendo de premiar aos seres humanos que livremente fizeram o bem, tem que castigar aos que livremente fizeram o mal. No inferno não existe nenhum descanso e nunca se para de sofrer, porque é eterno. Quem assim ensinou foi Nosso Senhor, que disse "Afastai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno" (cf. Mt 25,41). A existência do inferno e a eternidade de suas penas são uma verdade de fé que devemos crer firmemente.

6. Vão para o inferno os que morrem em pecado mortal

No momento do Juízo, o Senhor condena os maus ao inferno. Quem são estes maus que vão para o inferno? São Paulo enumera as obras da carne: fornicação, luxuria, idolatria, inimizades, invejas, homicídios..., e afirma: "Os que fazem tais coisas não herdarão o Reino de Deus" (cf. Gl 5,19-21). Em definitivo, são todos os que, ao morrer, tem a alma manchada pelo pecado mortal.

7. É preciso ajudar aos demais a ganhar o céu e evitar o inferno

O céu é sem dúvida a única coisa que dá sentido à vida do ser humano; perder o Céu é ter fracassado totalmente nesta vida. Mas, como dissemos, só podem entrar no céu os que morrem na graça de Deus. E, talvez existem pessoas junto de nós que não se dão conta disto, vivendo afastados totalmente de Deus, com o grave perigo de perde-lo para sempre. Isto nos deve remover interiormente para fazer muito apostolado e conseguir que todos se salvem. Temos de rezar, oferecer pequenas mortificações, viver exemplarmente nossa vocação cristã, falar de Deus aos demais. Deus premia a generosidade, e teremos a alegria de encontrarmos no céu estas almas que ajudamos na terra.

8. O "Amém" final do Credo

O Credo, como o ultimo livro da Bíblia, termina com a palavra hebraica "Amém", que finaliza normalmente as orações. Esta palavra, em hebraico, pertence à mesma raiz da palavra crer. Assim, o Amém final do Credo recolhe e confirma sua primeira palavra Creio. Crer quer dizer Amém às palavras, às promessas, aos mandamentos de Deus, é fiar-se totalmente dele.

9. Propósitos de vida cristã

  • Rezar e oferecer pequenos sacrifícios pela conversão dos pecadores e pela perseverança final de todos os cristãos.
  • Lembrar-se do céu frente às dificuldades que se apresentam em nossa vida de cristãos. Quando vier a tentação, para refutá-la e não ofender a Deus, recordar a existência do inferno.
Autor: Jayme Pujoll e Jesus Sanches Biela
Fonte: Livro "Curso de Catequesis" do Editorial Palavra, España
Tradução: Pe. Antônio Carlos Rossi Keller

 

©2009 Tradição em foco com Roma | "A verdade é definida como a conformidade da coisa com a inteligência" Doctor Angelicus Tomás de Aquino