.

CURSO DE CATEQUESIS: TEMA 42: O PECADO, OFENSA A DEUS

INTRODUÇÃO:

Conta-se de São João Crisóstomo que "Arcádio, imperador de Constantinopla, instigado por sua esposa Eudóxia, quis castigar o santo. Cinco juízes propuseram diversos castigos: Mandai-o ao desterro, disse um. Tirai-lhe os bens, acrescentou outro. Metei-o na prisão, acorrentado. Tirai-lhe a vida. O último, por fim, disse ao imperador: Se o mandais ao desterro estará contente, sabendo que em todas as partes Deus estará com ele; se lhe despojais de seus bens, estareis prejudicando não a ele, mas aos pobres; se o encerrais em um calabouço, beijará as correntes; se o condenais à morte, estareis abrindo para ele as portas do céu.... Fazei-o pecar: É a única coisa da qual ele tem medo". Deveríamos perguntar-nos se, assim como São João Crisóstomo, tememos o pecado como o pior mal que pode nos atingir.

IDÉIAS PRINCIPAIS:

1. Nascemos inclinados ao pecado

O ser humano nasce com o pecado original, privado da graça de Deus; a ainda que este pecado seja perdoado pelo batismo, permanece em nós a inclinação desordenada da concupiscência. A vontade se encontra debilitada, e obscurecida a inteligência; além disso, o mundo procura seduzir-nos com seus bens enganosos, e o demônio nos tenta. A estas diversas instigações que nos empurram ao mal - desde dentro e desde fora do ser humano - nós as chamamos de tentações.

2. Podemos resistir às tentações

Deus permite a tentação para provar-nos. Jesus Cristo quis ser tentado pelo demônio, mas Ele o repeliu: "Afasta-te, Satanás..." (Mt 4,10). Com a graça de Deus sempre podemos vencer a tentação. Quando chega, devemos orar e resistir: orar seguindo o conselho que nos deu Jesus Cristo: "Vigiai e orai para não cairdes em tentação" (Mt 26,41), e resistir valentemente fugindo da ocasião e de quem nos induz a pecar.

3. O consentimento gera o pecado

Muitas vezes não escutamos as advertências do Senhor e consentimos no mal da tentação. Falhamos contra Deus - contra a sua vontade - ofendemos voluntariamente a lei de Deus, pecamos contra Deus. Para cometer um pecado grave, é necessário:

I) Que a coisa em si seja um mal (ou se acredite que seja um mal);

II) Saber que, consentindo neste mal, o que se faz é uma ofensa a Deus, porque se vai contra a sua vontade;

III) Consentir naquele mal - fazendo ou omitindo o que se deve fazer - mesmo sabendo que fazemos o mal e ofendemos a Deus tanto com o pensamento ou o desejo (pecado interno), como com a palavra ou obra (pecado externo).

4. O pecado mortal é uma ofensa grave a Deus

Quando se comete um pecado mortal, ofende-se gravemente a Deus, porque Ele nos declarou sua vontade sobre nós - a primeira condição do pecado mortal é que exista mandamento ou preceito grave -, e o ser humano a despreza com plena liberdade. Ofende-se, pois, a Deus e gravemente, como grave é o preceito que se infringe. Mas o pecado se volta também contra o ser humano, que perde a vida da graça, deixa de ser filho de Deus e se faz réu do inferno. Por isso, é preciso sair o quanto antes desta situação de pecado mortal, confessando-se rapidamente; entretanto, é preciso procurar fazer um ato de contrição perfeito, com verdadeira dor pelo pecado cometido.

5. O pecado venial é ofensa leve a Deus

Às vezes, sem deixar de amar a Deus, o cristão se deixa arrastar pelas paixões em coisas que não infringem totalmente os mandamentos. Mesmo que desagradem a Deus, se faz sem suficiente conhecimento ou sem perfeita voluntariedade. Neste caso, o pecado é chamado de venial ou leve, porque não faz perder a graça e a amizade com Deus; mas debilita a vida sobrenatural e põe em perigo de chegar a cometer pecados graves. O pecado venial não faz réus do inferno, mas sim do purgatório. Por ser ofensa a Deus e pelos danos que acarreta, um mínimo de sentido de responsabilidade deve nos induzir a evitar com todo o empenho também o pecado venial. É preciso ter horror ao pecado venial deliberado!

6. Deus misericordioso perdoa o pecado

Nunca esta verdade deve servir como pretexto para pecar, mas sim, como motivo de esperança e estímulo para a conversão. Deus não abandona o ser humano, nem sequer quando o tenhamos ofendido, mas, pelo contrário, "aguarda pacientemente" para nos perdoar no sacramento da Penitência, "não querendo que ninguém pereça, mas que todos venham à penitência", como ensina o Apóstolo São Pedro.

7. Propósitos de vida cristã

  • Lutar com esforço contra o pecado e contra as tentações que incitam a pecar.
  • Rezar cada noite o "Confesso a Deus....", ou o Ato de Contrição, pedindo perdão pelos pecados.

Autor: Jayme Pujoll e Jesus Sanches Biela
Fonte: Livro "Curso de Catequesis" do Editorial Palavra, España
Tradução: Pe. Antônio Carlos Rossi Keller

 

©2009 Tradição em foco com Roma | "A verdade é definida como a conformidade da coisa com a inteligência" Doctor Angelicus Tomás de Aquino