.

CURSO DE CATEQUESIS: TEMA 44: OS DEZ MANDAMENTOS: UM PRESENTE DE DEUS PARA NÓS

INTRODUÇÃO:
O Evangelho nos conta que aproximou-se de Jesus um jovem e lhe perguntou: "Mestre, o que devo fazer para ganhar a vida eterna?". O Senhor lhe respondeu: "Se queres entrar na vida, observa os mandamentos" (Mt 19,17). Desta forma tão clara, o Senhor lhe indicou - e a todos nós - qual o caminho para ir para o céu. Efetivamente, o cumprimento dos mandamentos é o caminho para salvar-se. Quem os cumpre, se salva; quem não os cumpre, se condena. Deus revelou a Moisés os dez mandamentos, no Monte Sinai, deixando-os gravados em duas tábuas de pedra para que seu povo nunca os esquecesse. Jesus Cristo aperfeiçoou a lei e encomendou a sua Igreja que a guardasse e ensinasse a todos os seres humanos. Seguir a Jesus Cristo implica no cumprimento dos mandamentos.
IDÉIAS PRINCIPAIS:
1. O fim último do ser humano
O ser humano foi criado por Deus com um fim último. É o de dar glória a Deus, amando-o e obedecendo-o na terra, para ser feliz depois com Ele no céu. Fomos criados para dar glória a Deus, e é para isso que existimos. Como daremos glória a Deus? Cumprindo em todo o momento sua vontade. A vontade divina encaminha o ser humano a seu fim e, como somos seres livres, devemos assumi-la com a vontade de amar e obedecer a nosso Criador e Senhor. A vontade de Deus se expressa fundamentalmente nos mandamentos da lei de Deus.
2. A lei eterna como ordenamento da criação a seu fim
Contemplando as coisas criadas observamos que seguem umas leis naturais: a terra dá voltas ao redor do sol, as plantas dão flores na primavera, o ser humano sente remorsos quando faz algo de errado, etc... Esta ordem não acontece por casualidade, mas foi pensada pela Sabedoria de Deus. Deus ordenou todas as coisas de modo que cada uma cumpra sua finalidade: os minerais, as plantas, os animais, o ser humano. Como essa ordem está pensada e projetada por Deus desde toda a eternidade, nós a chamamos lei eterna.
3. A lei natural como norma para o ser humano
Os minerais, as plantas e os animais obedecem sempre a lei de Deus - a lei eterna - , que neles está determinada por leis físicas e biológicas. O ser humano, como ser livre, se orienta a seu fim livremente, após conhecer com a inteligência a lei que Deus lhe deu e que descobre dentro de si mesmo. A esta lei gravada por Deus em nosso coração nós a chamamos lei natural; e como está escrita na natureza humana, obriga a todos os seres humanos de todos os tempos. Por ser uma participação da lei eterna, o ser humano não pode mudá-la, sendo, portanto, universal e imutável.
4. Às vezes, é difícil conhecer a lei natural
Os seres humanos tem a lei natural gravada no coração, de forma que - com certa facilidade - podem conhecer os princípios fundamentais; por isso, dos pagãos que não glorificaram a Deus, diz São Paulo, que não podem desculpar-se. Contudo, às vezes torna-se difícil conhecê-la; o pecado original e os pecados pessoais posteriores obscurecem seu conhecimento. Por este motivo, para que com maior facilidade, com firme certeza e sem nenhum erro, todos os seres humanos pudessem conhecer o que deviam fazer para agradar-lhe, Deus revelou qual era a sua vontade, dando-lhes os dez mandamentos. Estes dez mandamentos põem em relevo os deveres essenciais e, portanto, indiretamente, os direitos fundamentais inerentes à natureza da pessoa humana. O Decálogo contém uma expressão privilegiada da lei natural.
5. A revelação dos mandamentos a Moisés
Deus não se contentou em gravar no coração humano sua lei, mas a manifestou claramente. No monte Sinai, quando o povo eleito tinha saído do Egito, Deus anunciou a Moisés os dez mandamentos ou Decálogo, dando-os esculpidos em duas tábuas de pedra, para que nunca se esquecesse de cumpri-los. Aqueles dez mandamentos são, resumidos, os que temos no Catecismo. Os mandamentos assinalam a maneira certa e segura de como devemos atuar, indicam o caminho da felicidade nesta vida e na vida eterna. Por isso dizemos que os dez mandamentos são um presente de Deus, já que são o instrumento com o qual Deus manifesta ao ser humano o que é bom e o que é mal, o que é verdadeiro e o que é falso, o que lhe agrada e o que lhe desagrada.
6. Jesus Cristo aperfeiçoa a lei
A lei que Deus deu a Moisés no Sinai foi levada à perfeição por Jesus Cristo, que se apresenta a si mesmo como modelo e caminho para alcançar a vida eterna: "Eu sou o caminho, a verdade e a vida" (Jo 14,6). Esta perfeição se revela, sobretudo, no mandamento novo do amor. Depois de amar a Deus com todo o coração, com toda a alma, com toda a mente, com todas as forças, nos manda que nos amemos uns aos outros como Ele nos amou. O Decálogo deve ser interpretado à luz deste duplo e único mandamento da caridade, plenitude da lei. A Igreja, continuadora da obra redentora de Jesus Cristo, continua a ensinar, custodiando e interpretando a lei dada por Deus aos seres humanos.
7. Obrigação de cumprir os mandamentos
Como Deus é o Criador, Dono e Senhor do universo, toda a criação está submetida à lei ou ordem imposta por Deus. As criaturas irracionais cumprem esta lei inexoravelmente, mas o ser humano é livre e pode não segui-la. Se não observa a lei divina, comete pecado, ofende a Deus e faz dano a si mesmo e aos demais. Em troca, quando guarda os mandamentos, o ser humano tem a segurança de estar no bom caminho e de que está fazendo a vontade de Deus. Mas não podemos - e não devemos - sentir-nos aprisionados pelos mandamentos, sem ter a visão grande e nobre de que Deus quer decididamente o bem de sua criatura preferida - o ser humano - cuja liberdade defende e guarda com as normas.
8. Cumprir os mandamentos por amor
Em conseqüência, tendo a consciência clara de que os mandamentos são o caminho - como uma estrada bem sinalizada, que manifesta o modo de agir retamente e avisa dos perigos existentes - , temos que dizer que os dez mandamentos da lei de Deus são uma prova do amor e da misericórdia de Deus, de Deus que nos amou primeiro. Por isso, é preciso cumpri-los por amor. É a resposta que Deus espera de nós. É necessário, pois, conhecer os mandamentos, se queremos vivê-los bem e por amor.
9. Propósitos de vida cristã
  • Aprender os dez mandamentos da lei de Deus.
  • Tomar a firme determinação de cumprir sempre os mandamentos da lei de Deus, apoiados na graça sobrenatural.
Autor: Jayme Pujoll e Jesus Sanches Biela
Fonte: Livro "Curso de Catequesis" do Editorial Palavra, España
Tradução: Pe. Antônio Carlos Rossi Keller

 

©2009 Tradição em foco com Roma | "A verdade é definida como a conformidade da coisa com a inteligência" Doctor Angelicus Tomás de Aquino