.

Sobre extraterrestres

Deus poderia ter feito os humanos extraterrestres:

1) Em estado de natureza pura: sem a graça, portanto, uma vida plena do ponto de vista natural, e, com a morte, a felicidade natural numa espécie de limbo (mas não em estado de condenação, como as crianças que morrem sem batismo).

2) Em estado de natureza elevada: como Adão.

Caso fossem criados em estado de natureza elevada, os mesmos poderiam ter pecado ou não, mas não herdarão a natureza de Adão, pois esta se transmite por geração natural a todos os seus descendentes, e os extraterrestres não seriam descendentes de Adão.

Se nunca tivessem pecado, Deus poderia salvá-los e eles não precisariam crer nos dogmas relacionados com a fé terrena. Tampouco Deus precisaria revelar a existência deles a nós. Cada anjo pertence a uma espécie e Deus não nos revelou cada espécie de anjo bem-aventurado.

Se tivessem pecado, Deus poderia ter se encarnado para salvá-los, pois é possível, segundo Sto. Tomás, que o Filho de Deus tome uma segunda natureza humana numericamente distinta da primeira. Deus também poderia aplicar-lhes os merecimentos de Cristo em prol de todos os homens, sem distinção, em razão de ter natureza comum a todos os homens (e isso independente deles terem ou não herdado seu pecado de Adão). Enfim, Deus poderia salvar-lhes também de outro modo, pois Deus não padece de indigência de meios, segundo Santo. Tomás, e poderia ter salvo o homem sem necessidade de encarnar-se.

No entanto, a existência de outros homens não terrenos e que não descendem de Adão conflita com os dados revelados de que Adão foi o primeiro homem, de sorte que o Papa Pio II (1458-1464) condenou a seguinte tese, atribuída a um tal Zanino de Sólcia:

D-717c (3) Deus criou outro mundo distinto, a este, e em seu tempo existiram muitos outros homens e mulheres e, por conseguinte, Adão não foi o primeiro homem.

Assim, parece estar condenada a existência de seres inteligentes e humanos em outros planetas, pelo menos, desde que isso implicasse em que Adão não fosse o primeiro homem. Também parece estar implicitamente condenado que Adão não foi o primeiro homem terreno.

São Pio V condenou também a tese de Baio de que Deus não nos poderia ter criado em estado de natureza pura. Isso é uma questão importante e nos ajuda a entender que os homens não terrenos não precisariam — se fosse o caso de Deus criá-los — terem sido elevados à vida sobrenatural da graça santificante, ainda que Deus pudesse lhes dar graças atuais para viver uma vida plena do ponto de vista natural e alcançar com certeza a bem-aventurança natural após a morte.

Vida extraterrestre pode se enquadrar numa possível vida unicelular até mesmo vida inteligente.

Para dar a minha opinião, de princípio diria que, como o evento da encarnação diviniza todo o cosmos - por ser o homem a sua cabeça e, assim, a santidade do Homem-Deus ao universo se difundir - é um acontecimento que também divinizaria os extraterrestres. Mas aí vem o problema: e se eles forem igualmente inteligentes e livres como nós (não mais, porque isso contrariaria a verdade bíblica), receberiam de fato os méritos da missão de Nosso Senhor Jesus Cristo na Terra, inclusive os da Redenção se tiverem pecado?

Respondo que não, pois a descida e atuação do Verbo como homem só abraçam a humanidade e, na medida em que o homem por si capitula o restante do universo irracional, abraçam esta parte do cosmos.

Logo, seria necessária o assumimento também da natureza extraterrestre pelo Filho, mesmo que os "aliens" não tenham pecado, porque a encarnação, mais que remissão, é re-criação. Dessa forma, a encarnação no homem ou a encarnação no alienígena, dependendo de qual aconteceu depois (a não ser que tenham tido durações simultâneas), no tocante à recapitulação do cosmos irracional, seria "pleonástica", repetitiva, porque a outra já nele teria penetrado - o que parece não ser, no fundo, problema.

A Igreja não recusa a possibilidade de que haja vida extraterrestre.

Entretanto, não se pode pensar que assim sejam os anjos. Sobre estes há uma doutrina clara, e são seres espirituais, não necessitando, portanto, "lugar" nenhum.

Questões que tratam da analogia entre anjos e extraterrestres com o tempo se tornaram temas pretendendo seriedade e misturando conceitos distorcidos de teologia, religião comparada, antropololgia e psicologia.

O mais famoso autor foi Eric Von Daniken, suiço sem qualquer compromisso com a história das religiões, arqueologia ou estudo comparativo de culturas, que ficou bastante rico escrevendo asneiras como "Eram os Deuses Astronautas" e "O do que os Deuses chegaram", este último sobre sua visão fantasiosa a respeito da cultura Maia. Na época de seus lançamentos causaram tanto furor como "O Código Da Vinci".

É importante que seja feita esta diferenciação: Não porque em diferentes culturas, sejam citados seres espirituais ou divindades aladas que estes sejam extraterrestres ou que sua natureza, aspecto e atuação entre osd homens seja a mesma que as dos anjos.

Não é porque uma cultura primitiva produz figuras que nos parecem "astronautas" que estes sejam seres de outros planetas. Por vezes as pessoas enxergam aquilo que querem num elemento gráfico que para nós parece exótico ou nos lembre algo de nossa própria cultura moderna.

Por esta razão é importante que as pessoas procurem fontes, tenham bom senso e não se deixem levar por teorias desparatadas que se pretendem verdades com características de revelação de conspirações ocultas.

O fato de não conhecermos completamente a tecnologia e os motivos da arte de povos antigos não quer dizer que tenham sido auxiliados por extraterrestres no desenvolvimento de suas culturas. Seria tirar desses povos o seu aspecto humano e sua capacidade para criar, solucionar problemas e viver em sociedade organizada.

O movimento New Age apresenta grupos que se caracterizam por uma verdadeira "Ufolatria". A New Age
está carregada de distorções a respeito da história, das culturas e suas religiões. Uma determinada corrente de caráter apocalíptico inclusive prega que Cristo se chama na verdade "Sananda" e que é "comandante de uma frota estelar" de UFOS que tem por "oficial-maior" um certo Astsar Sheran. Ambos salvarão em breve a Terra.

Tais grupos utilizam-se de nomes exóticos para darem ares de espiritualidade e comportam-se como reveladores de uma linguagem alienígena. Mas Sananda é um nome de inspiração hindu e Astar não é nome masculino mas sim, raíz semítica paras o nome de diferentes deusas como Astarte, Ishtar, Ashera.

Pode ser que exista vida extraterrestre? Nada na fé proíbe-nos de pensar que sim. Entretanto, se existir vida em outros planetas, seja ela irracional ou inteligente, são seres que pertencem ao universo natural. Não se pode equipará-los aos anjos, ou atribuir a eles fenômenos claramente sobrenaturais.

É verdade que, em tempos anteriores, já se atribuiu ao sobrenatural fenômenos naturais. Por exemplo, os gregos atribuíam aos deuses os raios e trovões. Pensadores ateus utilizam esse tipo de exemplo para querer reduzir absolutamente tudo ao natural, destino da humanidade ao livrar-se dos "mitos". Mas essa é uma posição que contraria a fé, pois até Cristo é encarado como mito.

Penso que faz parte dessa tentativa, de eliminar o sobrenatural da vida humana, o esforço de atribuir a extraterrestres ações que ultrapassam a natureza, como os milagres.

Um aspecto a ser lembrado:a distância GIGANTE que Deus colocou entre as estrelas e, por conseguinte, entre os sistemas estrelares. Como o homem é, por disposição de Deus, "rei da criação" (Salmo 8), acho bastante plausível que o motivo pelo qual Deus criou essas distâncias tão inimaginavelmente enormes é para que seja realmente impossível, ao menos enquanto estamos em nossos corpos corruptíveis, saber se existe ou não vida alienígena inteligente. E, caso exista, para que isso seja impossível também aos alienígenas.

Estive pensando no fato de que Deus colocou o homem como cabeça do universo... Isso é muito forte, mas é importante lembrar que, na linguagem bíblica, a expressão "toda a terra" significa a parte da Terra que está ao alcance do homem. Por exemplo: César Augusto publicou um decreto ordenando o recenseamento de toda a terra (Lucas 2). Naturalmente que isso não incluiu a América nem a Oceania, mas só a parte do mundo que era, na época, conhecida pelos romanos. Por razão análoga, é bem possível (e até plausível, já que era impossível a Noé recolher um casal de cada uma das mais de 1 milhão de espécies animais que existem, logo ele apenas contribuiu para agilizar o repovoamento da parte da terra atingida pelo dilúvio) que o dilúvio não tenha coberto todo o planeta, já que, no contexto, "toda a terra" significa a parte da Terra conhecida por Noé, sua esposa, seus filhos e suas noras.

Portanto, antes do fim dos tempos, após o qual nossos corpos terão o dom da agilidade (capacidade de passar de um extremo a outro do universo, ou da Terra ao Céu e vice-versa, em um instante), sob a condição de sermos fiéis até a morte, não seria plausível supor que Deus nos fez "reis da criação", ou seja, da parte da Criação até onde o homem conseguir chegar?

Não nos cabe, portanto, saber se Deus criou ou não alienígenas inteligentes; em caso positivo, não cabe a eles saber da nossa existência, e nem a nós saber como Deus se relaciona com eles.

Deus no-lo mostra através das distâncias INTRANSPONÍVEIS A CORPOS CORRUPTÍVEIS que Ele colocou entre os sistemas estelares.
.
Imaginemos, por exemplo, que vamos viajar na metade da velocidade da luz: 1,5 x 10^8 m/s, ou 150 milhões de km/s. Quanto tempo levaremos para atingir essa velocidade? Não suponha aceleração muito grande para que a "força G" não esmague os tripulantes e passageiros... Suponhamos que o dobro da aceleração da gravidade seja tolerável por longo tempo sem prejuízo à saúde (sinceramente, não deve ser, imagina passar meses numa situação de gravidade dobrada, quem tem 80 kg de massa fica com 160 kgf de peso!).

(1,5 x 10^8 m/s) / (20 m/s^2) = 7,5 x 10^6 segundos = 2.083 horas = 86 dias

Bem, pela lei da ação e reação, essa espaçonave só vai conseguir passar 86 dias acelerando a 20 m/s^2 se, ao longo de todo esse tempo, seus foguetes estiverem lançando algo ao espaço, já que no espaço não tem ar! Pois bem, suponhamos que esse "algo" sejam gases de escapamento. Ainda que tenhamos um reator nuclear, de modo que pequena quantidade de combustível forneça muita energia, e o material para ser lançado para trás, onde vai caber tudo isso na nave? Esqueça a energia solar, o Sol está muito longe, virou uma estrelinha como as demais. E quanto mais pesada a nave, mais força necessitará para fornecer tão enorme aceleração, evidentemente! Ah, e não nos esqueçamos de que, para freiar em situação de ausência de resistência do ar, o procedimento é o mesmo que para acelerar, portanto consideremos 172 dias de aceleração + desaceleração.

Para ir a Alfa Centauri, o sistema mais próximo, a 1,5 x 10^8 m/s, leva pouco mais de 8 ANOS! Como a tripulação sobreviverá todo esse tempo? Não tem jeito de cultivar plantas, pois não tem Sol para a fotossíntese.

Já pensou que "saudável"... Passar 8 anos sem gravidade, e 172 dias com gravidade dobrada...

Um outro "detalhe": se lá em Alfa Centauri tiver um pessoal tão doente de vontade de conhecer essa "civilização atrasada" que somos nós, e se aventurar a fazer tal maluquice, e se lá tiver algum governo ou empresa que financie essa aventura absurda que não traz retorno nenhum em absoluto, essa nave infelizmente será pulverizada pela primeira pedrinha que encontrar em seu caminho, pois, em velocidade tão elevada, não tem jeito de desviar. Ainda que fosse possível desviar de algum minúsculo meteorito, minúsculo porém suficiente para desintegrar uma nave em velocidade tão alta, seria uma questão de escolher entre o veículo ser desintegrado pela colisão ou pelo próprio desvio. E como seria "enxergado" (claro que por sensores automáticos) o pequenino corpo celeste na ausência de luz? Se a nave tivesse um farol com potência suficiente para clarear 300.000 km a frente (o que é um absurdo inconcebível), levaria apenas 2 segundos para chegar ao local que acaba de ser visualizado.

Conclusão: Viajar de um sistema estelar a outro só é possível a almas e a corpos glorificados. A corpos corruptíveis, sejam eles terráqueos ou alienígenas, é absolutamente impossível!

Louvado seja Deus que, em Sua infinita sabedoria, estabeleceu limites à capacidade de investigação do homem e, caso Ele tenha criado outros seres inteligentes em outros planetas, deles também.

A não ser que exista alguma vida inteligente em Marte, ou em algum satélite de Júpiter ou de Saturno, e o homem não o tenha percebido. Pois em Mercúrio e Vênus não é possível (Mercúrio tem um clima intermediário entre muito quente e muito frio na interface entre sua face iluminada e a escura, mas não tem atmosfera, e Vênus é inteiro muito quente) e nos gigantes gasosos (Júpiter, Saturno, Urano e Netuno) muito menos, pois são gasosos e a gravidade neles é algo inimaginável a nós terráqueos. Na superfície de Júpiter, para dar uma idéia, tem hidrogênio metálico!

Por fim, se existe vida extraterreste e inteligente (animal racional), ela não seria muito diferente do Homo sapiens terrestre. Na verdade, muito provavelmente seria o próprio Homo sapiens com diferença apenas de raças, exatamente como ocorre com as etnias de todos os seres humanos da terra. Esta teoria está fundamentada na hipótese de que a carga genética e evolutiva de todos os seres vivos foi determinada no momento da explosão do Big Bang, segundo o tipo de radiação a que certas partículas minúsculas foram submetidas. Ela podem estar espalhadas por todo o universo, mas quando encontrassem um planeta onde fossem capazes de se desenvolver, seguiriam a mesma evolução.

Dessa forma, faz perfeito sentido que a salvação de Jesus Cristo tenha chegado até eles, pois seríamos verdadeiramente irmãos, de igual origem e natureza; da mesma forma que Cristo remiu os pecados dos índios, que jamais o conheceram por estarem separados territorialmente, a extensão planetária seria um caso análogo.

Digo isso porque muitas pessoas têm dificuldades de aceitar a sustentação do princípio que o ser humano é imagem e semelhança de Deus caso imaginem que existem seres racionais extraterrestres de espécies diferentes da humana.

 

©2009 Tradição em foco com Roma | "A verdade é definida como a conformidade da coisa com a inteligência" Doctor Angelicus Tomás de Aquino