.

Criação do Estado Palestino


Saiu no Jornal do Brasil que a Dilma apóia a criação de Estado Palestino, mas será viável?

Deveria haver dois estados: Israel e Palestina sim, com as fronteiras que possuem. O problema seria Jerusalém.

Mas como não daria pra tirar os judeus que invadiram aquelas terras, o jeito seria dividí-las de uma maneira justa, não deixando apenas uma região desértica para os palestinos e as regiões férteis para os judeus. O ideal também seria transformar Jerusalem em algo tipo "cidade aberta", sob administração da ONU, por exemplo.

Infelizmente tudo isso é utopia, Israel é posto avançado dos EUA no Oriente Médio, um não vive sem o outro naquela região, e o lobby judeu no Congresso americano e na mídia daquele país é enorme, então, os palestinos podem esquecer a idéia de uma nação livre e soberana, pelo menos por enquanto.

Um aprofundamento da análise sobre as origens dos grupos terroristas que hoje apavoram o mundo nos conduz a um de seus fatores cruciais - o Imperialismo. Portanto, a causa última do terrorismo é o próprio imperialismo, já que os grupos terroristas fundamentam seus ideais no combate à política de dominaçao imposta pelas grandes potências, e os integrantes de tais associaçoes sao, em geral, pessoas que, de uma forma ou de outra, foram vitimadas pelas mazelas do imperialismo (como por exemplo, a perda de parentes, mortos por ataques militares ou ainda vítimas da fome e da falta de perspectiva em países subdesenvolvidos).

A atual política norte americana e israelense de combate ao terrorismo, fundada em práticas imperialistas de intervençao, apenas reforça as causas sociais e economicas que alimentam o terrorismo. Afinal, as ofensivas sempre provocam um grande número de vitimados civis, estes sao mais propensos à "caírem" nos discursos fundamentalistas e revanchistas de grupos como o Hamas.

No caso da Faixa de Gaza, há um fator complicador, o grupo político-terrorista Hamas foi eleito pelo povo, ou seja, democraticamente, e como Maquiavel já dizia em O Príncipe, combater um inimigo apoiado pela massa é extremamente difícil. Logo, a probabilidade de Israel conseguir extinguir o grupo terrorista atuante em Gaza é mínima. Além disso, corre o risco de fazer aumentar o anti semitismo na região e ,consequentemente, a longo prazo aumentar o número de terroristas.

Um documentário na GNT(com entrevista de especialistas e tal) que dizia que o Hamas conseguiu o apoio popular que tem graças aos ataques terroristas com homens bombas e etc.

O povo palestino vê o Hamas como "a resistência". O Hamas corre sério risco de perder apoio assumindo funçoes administrativas, visto que nao possui competencia para tal.

Sinceramente, eu não vejo como não classificar o Hamas como grupo terrorista. Entretanto, nao sou aquele estereótipo defensor de Israel. Aliás, nem defensor de Israel eu sou. Todos falam das motivações que levam o país dos sionistas a atacar, mas ninguem lembra da motivaçao dos terroristas do Hamas.

Justificando o porquê do Hamas correr risco de perder apoio popular ao assumir cargos:

Antes o Hamas era uma força paralela ao poder legal, atuava, fazia ataques terroristas e era (é) considerado a resistência. Não poderia ser acusado de má administraçao e responsabilizado por problemas sociais existentes (problemas que são inúmeros).

Ou seja, o Hamas era responsabilizado apenas pelas glórias conquistadas (ataques bem sucedidos). Quanto as mazelas sociais, recebiam críticas os políticos em atuação.

No momento que o Hamas assume cargos, ele é responsabilizado também pelas inúmeras questões sociais. Dessa forma, é mais fácil perder o apoio popular.

Entretanto, a tendencia é o apoio popular ao grupo crescer, visto que com discursos fundamentalistas e revanchistas conseguirá, provavelmente (já que é especialidade de grupos terroristas), atrair muitos vitimados para organização.

A questao do Hamas ser ou não ser uma organização terrorista fica pra depois. Só uma dica, assim como acho que o Hamas comete terrorismo, penso que o que Israel faz nesse momento é genocídio e terrorismo de estado.

Terrorismo é um método que consiste no uso de violência, física ou psicológica, por indivíduos, ou grupos políticos, contra a ordem estabelecida através de um ataque a um governo ou à população que o legitimou, de modo que os estragos psicológicos ultrapassem largamente o círculo das vítimas para incluir o resto do território.

Hamas seria então terrorista ou não e como poderíamos definir o grupo?

Podemos definir como a resistência armada palestina. E o Hamas não seria, teoricamente, terrorista. Ele só é considerado como tal pelo fato de haverem homens-bombas e pelos supostos "escudos humanos" que eles usam. Tentando explicar:

1- A Faixa de Gaza tem a maior densidade populacional do mundo. Querendo ou não, o guerrilheiro do Hamas terá que andar no meio da população.

2- Em combates infantaria x infantaria, entre o Hamas e as IDF,o Hamas nunca utilizou escudos humanos. E existem vários vídeos do Hamas e da imprensa que provam isso. Infelizmente, Israel restringe muito à imprensa na Faixa de Gaza.

3- Se o Hamas usasse escudos humanos, ele nunca teria o apoio popular naquela região.

4- Não há provas concretas de que o Hamas usa escudos humanos. Tudo que há são supostos relatos feitos pelas IDF,que são repassados a mídia. Mas todos sabem que o inimigo nunca vai falar bem de outro inimigo!

5- Quem usa escudos humanos são as IDF.

Os sionistas estrapolam o limite desde 1920. Porque desde 1920 que os judeus formaram os primeiros grupos paramilitares da região (Hagana,Irgun,Lehi,Stern) 2 anos depois do exército otomano ter sido dissolvido, e antes de qualquer exército nacional arabe ter sido criado! Antes mesmo do Fatah e do Hamas!

O próprio governo inglês na época, classificou estes grupos judaicos como terroristas, por eles comumente jogarem bombas indiscriminadamente na população arabe de lá! Isso sem falar do atentado que o Irgun fez ao hotel David.

Depois falam que o primeiro a atacar foi o Hamas! Só pros EUA e pra ONU mesmo que um bando de imigrantes europeus e americanos possam ser donos de uma terra ocupada a mil anos.

Quando os judeus chegaram naquela região, que já era chamada pelos grego de Philistia ,a Palestina era ocupada pelos filisteus. Os judeus só chegaram a ter um governo e morarem lá por 2 mil anos graças as guerras que os judeus promoveram contra os filisteus.

E quando os arabes chegaram lá, os romanos (consequentemente o Império Romano) já dava o nome de Palestina mesmo aquela área. Os arabes chegaram lá quando os judeus já haviam iniciado a diáspora 7 séculos atrás! A grande maioria das pessoas que viviam lá converteram-se ao islamismo.

Depois vieram os cruzados da Europa ocupar a Palestina. Foram derrotados e a aquele lugar voltou a ser arabe. Depois, muito tempo depois, vieram os imigrantes judeus vindos da Europa, dos EUA e de várias partes do mundo. O mais incrível é que estes imigrantes preferiram comprar terras de mortos de fome (devido a queda do Império Turco) ao invés de reivindicarem terras para aqueles que os odiavam na época: EUROPEUS!

Lembrando que só nos EUA havia mais judeus que o que havia na Palestina.

Acho que todos esqueceram uma coisa, o Hamas num primeiro momento foi eleito democraticamente, ou seja, assumiu o poder palestino legalmente num primeiro momento, porém depois, realizou um golpe de estado e permanece até hoje.

Acho que existe uma estrelismo quase cinematográfico sobre o Hamas, para mim, a Palestina não passa de uma grande favela e o Hamas uma gangue que está no poder, no entanto o maior perigo é o valor das idéias de extermínio do povo judeu disseminada pelo Hamas, que otimiza o ódio e a a rivalidade entre os dois países, e difunde em Israel um sentimento de luta pela sobrevivência através da guerra.

Não esqueçamos que democraticamente, todos tem o direito de se defender. O Hamas compra uma briga no qual não pode ganhar e o povo Palestino é paga a conta.

Tá igual a crise mundial, os EUA cria a bolha e quebra, mas é o mudo que paga as contas.. (tendo a China assinado o cheque de maior valor....).

Concluindo: Os judeus tem direito de morar ali? Eles estão lá, e é irreversível.

Desde 1948, fim.

Os radicais que continuam essa guerra estúpida, acreditam que o único final justo é o fim de Israel.

Os radicais que continuam essa guerra estúpida, acreditam que o único final justo é o fim dos palestinos e que a terra prometida seja de Israel.

Bandos radicais. Ridículos.

Uma solução humanamente falando é a convivencia pacífica. A aceitação.

Enquanto o Irã e seus grupos não aceitarem a existência de Israel, isso não acaba.

Enquanto Israel e seus rabinos radicais, não aceitarem que a terra prometida não é o exterminio dos árabes e que temos o direito divino a essa terra, isso não acaba.

A solução concreta seria a conversão de Israel e Palestina à fé católica romana tendo como centro não um pedaço de chão que é algo muito secundário, mas sim

Cristo. A preocupação em favorecer causa A causa B não fazem os envolvidos direta e indiretamente nisso serquer pensarem como agiam os Estados Católicos ao longo dos séculos pelo bem do ser humano pela sua dignidade e espiritualidade.

E viva o secularismo e o lacismo!

 

©2009 Tradição em foco com Roma | "A verdade é definida como a conformidade da coisa com a inteligência" Doctor Angelicus Tomás de Aquino