.

Reverendissimus Dominus Marcellus Lefebvre: Bonus Fidei Catholicae Defensor


São Jerônimo: Reduzir a heresia à sua origem é refutá-la (Ad. Lucif. 28) 

Enganam-se aqueles que acham que Dom Marcel Lefebvre foi um defensor da fé, um pontual inimigo do modernismo acima de tudo. A verdade é que seus ataques ao Concílio Vaticano II, bem como ao Papado são de ordem psicológica apenas. Sua recusa de submissão tem como causa sua própria formação. Para irmos logo ao termo, o pensamento de Dom Marcel Lefebvre, e obviamente de seus seguidores, é fruto da influência do grupo francês chamado “Action Française”, condenado pelo Santo Ofício. 

Ora, seu antigo mestre Pe Louis Billot e Pe. Le Floch, superior de Lefebvre durante anos de formação, eram simpatizantes do movimento. É o próprio Dom Marcel Lefebvre que admitirá essas influências significativas na sua vida. 

Pe. Billot foi feito Cardeal em 1911, quando viu que o grupo francês era condenado renunciou ao Cardinalato e retirou-se para uma casa de Noviciado da Companhia de Jesus. Le Floch foi afastado de Roma. O grupo francês nacionalista teve como dirigente e principal fundador o poeta agnóstico (e dado às literaturas pagãs) Charles Maurras.
.
A ideologia de Charles Maurras estava completamente impregnada nas publicações do jornal do movimento. Charles Maurras fazia uso do caráter conservador da Igreja a serviço de sua “militância”. Era o próprio que dizia explicitamente que a política vem antes da religião. Dizia que o catolicismo era uma idéia TOLERÁVEL de Deus em um Estado bem regulado (cf. Romantisme et Révolution , apud PRP,124). A Action Française, como facilmente se comprova entre os quatro pontos de fundamento publicados no jornal de lançamento do movimento, tinha um nacionalismo extremamente exagerado. 

Claramente já condenado pelo Papa Leão XIII: Repudiados os princípios cristãos nos quais reside a virtude de irmanar os homens e uni-los como em uma grande família, prevalece, pouco a pouco, na ordem internacional, um sistema de egoísmo e de inveja pelo qual as nações se observam reciprocamente, senão com rancor, certamente com desconfianças e competições (Parvenu, n.18).

Confundia-se o movimento facilmente com o fascismo ou nazismo, tão verdade que muitos dos seus membros apoiaram o Reich posteriormente. Sem falar que o próprio Maurras elogiou várias vezes Mussolini. O caráter anti-semita era outro ponto forte do jornal, nem preciso dizer que os argumentos aduzidos contra os judeus eram os mesmos que se serviam os nazistas. A Action Française, como era de se esperar, tinha entre seus escritores vários ateus e católicos, e o grupo dizia conviver perfeitamente com esse “ecumenismo”. 

O movimento foi muito mais longe, chegava a defender que só a Monarquia era viável, evidentemente contrariando as palavras dos Papas do século XX que diziam que a forma de governo da democracia em si não era contrária à Igreja. 

Todas essas questões ideológicas e pagãs inseridas no campo da moral, fizeram chegar aos ouvidos primeiramente do Papa São Pio X. O Papa apesar de ter assinado a condenação, achou por bem não publicá-la no momento, o que ficou a cargo do Papa Pio XI. 

Em 05 de setembro o último enviava uma carta ao Cardeal Andrieu no seguinte teor: 

Filho querido, saudações e bênção apostólica.

Temos prazer em ler a resposta de Vossa Eminência para o grupo de jovens católicos que questionaram-lo sobre a questão da "Action française". Temos encontrado nele um testemunho novo e de alta da pastoral e vigilância paternal de Sua Eminência para o bem das almas e, particularmente, da juventude, ameaçada incessantemente em nossos dias. 

Eminência indica, de fato, um perigo que é tão grave neste caso como o que toca, mais ou menos diretamente, e sem ele aparecendo assim, sobre a fé católica e moral; pode inadvertidamente causar o desvio do espírito verdadeiro católico, o fervor e a piedade da juventude, e, em escritos como em palavras, ofender a fragilidade de sua pureza, numa palavra, poderia diminuir a perfeição da prática cristã e, ainda mais, o apostolado de uma "ação católica" verdadeira, a que todos os fiéis, os jovens acima de tudo, são chamados para ajudar ativamente para a ampliação e consolidação do reino de Cristo nos indivíduos, na família e na sociedade .

Assim, é muito apropriado que Vossa Eminência deixa de lado questões puramente políticas, como por exemplo a forma de governo. Em que, a Igreja deixa a cada um sua própria liberdade apenas. Mas ele não é tão livre, por outro lado, Eminência muito justamente observa, a seguir cegamente os governantes da "Action française" em assuntos relacionados à fé e moral. Eminência corretamente lista e condena (não só em publicações antigas) os sinais de um novo sistema religioso, moral e social, por exemplo, sobre a noção de Deus, da Encarnação, da Igreja, e, geralmente, do dogma católico e moral, principalmente em suas relações necessárias com a política, que é logicamente subordinado à moral. 

Em substância, há, nestas manifestações [de Ação française], os traços de um renascimento do paganismo, ao qual está ligado o naturalismo que esses autores têm colocado, inconscientemente, acreditamos que, como tantos de seus contemporâneos, no ensino público desta escola moderna e secular, envenenador da juventude, contra a qual eles mesmos luta, muitas vezes tão ardentemente.

Sempre ansioso em função dos perigos que aparecem de todas as partes a esta querida juventude, particularmente a partir dessas tendências prejudiciais, mesmo que inspirado por um bem que, sem dúvida, é o amor louvável do país, estamos satisfeitos com as vozes que, mesmo fora da França, ter surgido a cautela e alertam sobre isso, mas que também não duvido que todos esses jovens vão ouvir a sua voz do Bispo e do príncipe da Igreja; nela e com ela, eles vão ouvir a própria voz do comum Pai de todos os fiéis. É com esta confiança que Nós concedemos-lhe de coração, bem como para o seu clero e seus fiéis, a Bênção Apostólica.

Concedida em Roma, junto a São Pedro, no dia 05 de setembro de 1926, o quinto do nosso Pontificado.

Pius PP. XI

Já em 29 de dezembro de 1926 a condenação veio nestes termos: 

Já que muitos pediram que um inquérito diligente ser tomadas sobre o pensamento ea intenção desta Sé Apostólica, e especialmente aqueles de Pio X, de abençoada memória, sobre as obras e os escritos de Charles Maurras e do periódico chamado L'Action Française, O Papa Pio XI ordenou-me, o abaixo-assinado assessor, para o Santo Ofício, a pesquisa com cuidado dos atos e arquivos da Sagrada Congregação do Índice - que, como todos sabem, foi juntado e incorporadas ao Santo Ofício - e para apresentá-lo um relatório. 

Este inquérito tem sido realizado, este é o que foi encontrado:

Na Congregação preparatória realizada na quinta-feira, janeiro 15, 1914:

«Todos os consultores foram de opinião unânime de que as quatro obras de Charles Maurras - Le Chemin de Paradis, Anthinéa, Les Amants de Venise et politiques Trois idées - eram verdadeiramente prejudiciais e, portanto, merecia ser proibido, pois eles declararam que era necessário adicionar o trabalho de inteligência L'Avenir l'às obras mencionadas. »

«Vários consultores também desejaram que o livro intitulado Politique religieuse et Si le coup de force est possible também fosse adicionado. »

Na Congregação Geral realizada em segunda-feira 26 janeiro, 1914:

«O Eminente Cardeal-Prefeito declarou que ele havia discutido este assunto com o Sumo Pontífice, e que o Santo Padre, devido a uma série de petições dirigidas a ele verbalmente e por escrito, mesmo por pessoas considerável, tinha realmente hesitado por um momento, mas tinha, no final, decidido que a Sagrada Congregação deve lidar com este assunto em plena liberdade, reservando para si o direito de publicar o decreto. 

«Os Eminentes Padres, atingindo, assim, o cerne da questão, declarou que, sem dúvida possível, os livros indicados pelos Consultores são realmente muito perigosos e merecia ser censurado, ainda mais porque é muito difícil afastar os jovens destes livros, cujo autor é recomendado como mestre e como a cabeça das pessoas de quem a salvação da pátria é de se esperar. 

Padres Eminentes por unanimidade decidiram interditar, em nome da Sagrada Congregação, os livros mencionados, mas para deixar a publicação do decreto para o critério do Sumo Pontífice. Sobre o periódico L'Ação française , um jornal bimestral, os Padres Eminentes consideraram que a decisão deveria ser tomada como sobre as obras de Charles Maurras.»

Em Janeiro 29,1914:

«O Secretário, recebido em audiência pelo Santo Padre, proferiu uma conta de tudo o que tinha sido feito na última Congregação. O Sumo Pontífice logo fala da Action Française e das obras de M. Maurras, dizendo que ele tinha recebido, de muitos lados, petição exigindo-lhe para não permitir a proibição dessas obras pela Sagrada Congregação, no entanto, afirmar que essas obras são proibidas deve ser considerada, portanto, doravante, de acordo com o conteúdo da proibição feita pela Sagrada Congregação, sendo reservada ao Sumo Pontífice, no entanto o direito de indicar o momento em que o decreto deve ser publicado, se ele apresenta uma nova ocasião de fazer assim, o decreto que proíbe que os periódicos e livros devem ser promulgada hoje. »

Em 14 de abril de 1915:

«O Supremo Pontífice (Bento XV, de abençoada memória) perguntou ao secretário sobre o assunto dos livros de Charles Maurras e do periódico Ação L'française. 

O Secretário relatou em detalhes a Sua Santidade tudo o que a Congregação tinha feito sobre este assunto e como seu predecessor, Pio X, de santa memória, haviam ratificado e aprovado a proibição pronunciada pelos Padres Eminentes, mas tinha adiado para um momento mais adequado a publicação do decreto. Dito isto, Sua Santidade declarou que neste momento ainda não tinha chegado, pois, a guerra ainda está sendo travada, as paixões políticas impediria um julgamento equitativo deste ato da Santa Sé ».

Todas essas coisas que têm sido relatados com o cuidado de nosso Santíssimo Padre por mim, abaixo assinado assessor, para o Santo Ofício, Sua Santidade julgou que tornou-se apropriado ter publicado e promulgado este decreto do Papa Pio X e decidiu proceder à sua promulgação, com a data estabelecida pelo seu predecessor, de venerada memória, Pio X.

Além disso, quanto os artigos escritos e publicados, especialmente sobre os últimos dias, pelo jornal de mesmo nome, L'Action Française, e nomeadamente por Charles Maurras e Daudet Léon, artigos que qualquer homem sensato deve reconhecer como escrito contra a Sé Apostólica e o próprio Romano Pontífice, Sua Santidade confirmou a condenação exercida por seu antecessor, e estendeu-o para a revista acima mencionada, L'Action Française, uma vez que é publicado hoje, de tal forma que este jornal está a ser considerado proibido e condenado e deve ser inscrito na lista de livros proibidos, sem prejuízo das investigações futuras e condenação do trabalho de qualquer escritor.

De Roma, no palácio do Ofício Santo, 29 de dezembro de 1926.

Por maioria Sagrada Ordem,

CANALI, Adsessor .”

Em 1927 o jornal e os livros de Maurras foram posto no Index. Nada disso serviu para o movimento mudar sua conduta, pelo contrário, seu ataque passava mais ferozmente ao Papa, com textos tão agressivos que seus próprios defensores foram obrigados a reconhecer. É pelo bem da Pátria, gritavam seus cúmplices, o que é prova inegável que para o movimento a política vem antes da religião. Iam além, diziam que a aquela questão era política e não competia a Igreja fazer juízo. 

Mais uma vez vemos contrariando documentos do Magistério que diziam que nas questões sociais, mesmo econômicas, competia a Igreja, sim, quando atingem o campo moral (cf. Leão XIII, Graves de Communi Re; Carta de 5 de Junho de 1929 a D. Lienart, por ocasião de uma greve; Pio XI, Quadragesimo anno).

Pio XII mais tarde, em 16 de julho de 1939, atende a súplica arrependida formulada pelos membros dos comitês diretores do jornal Action Française, que se exprimiram com sinceras tristezas às demasias desrespeitosas à Santa Sé e para a hierarquia publicadas no jornal naqueles tempos. 

Lemos na petição do arrependimento: 

No que concerne em particular à doutrina, todos aqueles dentre nós que são católicos, reprovando tudo o que tenham escrito de errôneo, rejeitam completamente qualquer doutrina e qualquer teoria que sejam contrárias aos ensinamentos católicos, pelos quais nós professamos unanimemente o mais profundo respeito . Assim, é feito o Decreto de suspensão do interdito. As condenações ao caráter do movimento no passado continuaram vivas e as publicações até aquele dia condenadas continuaram no Index. Eis o texto integral:

“Por decreto desta Suprema Sagrada Congregação do Santo Ofício, com data de 29 de dezembro de 1926, o jornal L'Adtion Française, tal como era então publicado foi condenado e posto no Index dos livros proibidos, em vista do que se escrevia no dito jornal, sobretudo nessa época, contra a Sé apostólica e contra o próprio Soberano Pontífice. Ora, por uma carta dirigida ao Soberano Pontífice Pio XI, de santa memória, na data de 20 de janeiro de 1938, o comité diretor (24) desse jornal fez ato de submissão e apresentou, para obter a suspensão do interdito do jornal, uma petição que foi submetida ao exame desta Sagrada Congregação. 

Além disso, recentemente, esse mesmo comité, reiterando a petição, fez uma profissão aberta e louvável da veneração em relação à Santa Sé, reprovou os erros e ofereceu garantias sobre o respeito do magistrado da Igreja por uma carta de 19 de junho de 1939 do Papa Pio XII gloriosamente reinante, carta cujo texto consta do anexo n° 1, junto a este. Em vista disso, na sessão plenária da Suprema Sagrada Congregação do Santo Ofício de quinta-feira, 5 de julho de 1939, os eminentíssimos cardeais, prepostos à salvaguarda da fé e dos costumes, depois de consultar os eminentíssimos e reverendíssimos cardeais de França, decretaram:

A datar do dia da promulgação do presente Decreto, a proibição de ler e guardar o jornal Action Française é suspensa, continuando proibidos os números postos até este dia no Index dos livros proibidos, sem todavia pretender esta Suprema Sagrada Congregação formar juízo sobre o que concerne puramente às coisas políticas e sobre os fins visados pelo jornal nesse domínio — contanto, é claro, que não sejam contra a moral — e ad mentem a saber: de acordo com o que tem sido, muitas vezes, inculcado pela Santa Sé seja sobre a distinção entre as coisas religiosas e as coisas puramente políticas, e a dependência da política em relação à lei moral, seja sobre os princípios e deveres estabelecidos em vista de promover e defender a ação católica, esta Suprema Sagrada Congregação recomenda instantemente aos Ordinários de França a vigilância em vista de assegurar o cumprimento do que já foi instituído na matéria pela Assembleia dos cardeais e arcebispos de França no /ano de 1936 e que consta do anexo n° 2. Na quinta-feira seguinte, dia 6 do mesmo mês e ano, nosso Santíssimo Padre Pio XII, Papa pela Divina Providência, na audiência habitualmente concedida a S. E. o Reverendíssimo Assessor do Santo Ofício, aprovou a resolução dos eminentíssimos cardeais que lhe foi submetida, confirmou-a e ordenou sua publicação. 

Dado em Roma, no Palácio do Santo Ofício, em 10 de julho de 1939.”

Após esse histórico, veremos quais foram as conclusões que Dom Marcel Lefebvre chegou. Ao invés de condenar o movimento, como deveria fazer um fiel católico, seguiu o exemplo de seus mestres. Numa nota em seu livro do Liberalismo à Apostasia (1987) no cap. VII diz:

“Jornal e movimento político dirigido por Charles Marraus, L’Action Française” lutava baseada em sãs verdades naturais contra o democratismo liberal. Foi acusada falsamente de naturalismo. O Papa Pio XI, enganado, condenou-a” 

Em conferência na Abadia São Miguel nos dias 07, 08 e 12 de fevereiro de 1990 (um ano antes de sua morte) disse:

O Papa Pio XI “...infelizmente, na prática do seu governo foi fraco, muito fraco e, sobretudo, tentou aliar-se um pouco com o mundo. Ele destituiu não somente o Padre Lê Floch, mas, também, o Cardeal Billot, que era um professor eminente da Gregoriana, um professor extraordinário. Pela mesma razão, destituiu-o, porque o Cardeal Billot era um homem reto; nada de compromissos com o erro, a verdade firme e a luta contra os erros, contra o liberalismo, contra o modernismo, como São Pio X. Era um verdadeiro discípulo de São Pio X. Então, o Cardeal Billot foi destituído, também ele um alvo do governo francês.” 

Sem falar das palavras afrontosas contra o Papa Pio XI, vemos que D. Lefebvre nega se submeter às críticas do Papa Pio X, Pio XI e Pio XI ao movimento. Não aceita os decretos do Santo Ofício. É incrível a semelhança entre a conduta do movimento com a sua em relação ao Papado. Aqui é demonstrado como a desobediência não foi algo posterior ao Concílio, mas algo que seus professores e o movimento estruturam no pensamento do jovem estudante, muito antes, para o resto da vida.

O Papa Pio XI sobre o movimento foi bem claro:

Uma particular espécie de modernismo político, doutrinário e prático, e que se obstinava na revolta (R. P. Pierre Albers, S. J., R. P. René Hedde, O. P., R. P. Paulin Jouet, O.P. - Manuel d'histoire ecclésiastique, t. II, Paris, 1939, ps. 412-413)

Seguindo o pensamento do Papa Pio XI podemos completar a seguinte genealogia: 


Giacomo Martina: “Não é temerário afirmar que há uma continuidade histórico-psicológica entre o Lefebvre dos anos romanos (1923-30) e o Lefebvre do pós-concílio. Somente pelo final do pontificado de Pio XI é que se tiveram os primeiros sintomas de uma aproximação, que só chegou a se concretizar, porém, com seu sucessor.” (História da Igreja, de Lutero a nossos dias, IV. A era contemporânea, Loyola 1997, p. 144-145) 

.

PARA CITAR ESTE ARTIGO:

Reverendissimus Dominus Marcellus Lefebvre: Bonus Fidei Catholicae Defensor. http://twixar.com/StU9 Nelson Monteiro S. Silva, outubro de 2012, blogue Tradição em Foco com Roma.

Grupo Tradição - Vaticano II acesse:


CRÍTICAS E CORREÇÕES SÃO BEM-VINDAS: 

tradicaoemfococomroma@hotmail.com

 

©2009 Tradição em foco com Roma | "A verdade é definida como a conformidade da coisa com a inteligência" Doctor Angelicus Tomás de Aquino